terça-feira, 13 de novembro de 2007

Minha Rua

Foto: Rita Costa

MINHA RUA
(Rita Costa)
.
Olho para ela e recordo das brincadeiras:
bandeirinha, pique-esconde ou queimado,...
o descanso era embaixo da amendoeira,
eram muitas as diversões no passado.
.
A copa do mundo,... a festa junina,
momentos que mobilizavam a garotada.
A rua era fechada e inteiramente decorada,
virava palco da festa e da alegria.
.
Hoje é tranqüila. Nela, pouca emoção.
A praça, com mais atrativos,
hoje é a diversão.
Quando olho para ela me vem a saudade:
lembro com carinho os dias de felicidade.
.
Vejo que parte de minha história
está ali, nas pedras de minha rua,
que testemunharam muitos momentos.
Hoje são como páginas,...
gastas pelo tempo.
..
.
.

12 Comments:

Jeniffer Santos said...

Poxa...ao ler este poema,só me lembrei da minha rua no interior,das brincadeiras,da infância...da quadrilha...resenhas na porta da rua...dos namoros embaixo da arvore...até me inspirou x)


Sua rua tem um ar calmo,passou-me tranquilidade ao ver a ft...gostei ;)

Beijos!

Chris Cunha said...

Muito me deixa contente
Encontrar neste universo
Quem ame, em rimas e versos,
De modos tão diferentes.
Porque do amor são sementes
Que brotam pela estrada
A florear a jornada
Daqueles que estão buscando
Enquanto estão blogando
Fazer algo diferente.

Receba meus parabéns
Por sua sensibilidade
Que pinta um quadro da vida
Com cor e tons de verdade
Em frases, trovas e versos
Rimadas com liberdade.

Obrigada pela visita!

Tiago Paixão said...

Lembrou de forma singela e nostálgica as ruas da minha infância na (antigamente) pacata, tranquila e provinciana cidade do Rio Grande.

Perolas Políticas said...

Topas uma troca de link com o www.perolaspoliticas.com ?

André L. Soares said...

Minha doce e bela Poetisa, gosto de ver como você foge - através da poesia - para recantos do passado, guardados na lembrança. A 'rua' que você descreve não me parece ser somente a rua de hoje, mas a rua de sempre; a rua que abriga quase todos os bons momentos de sua vida, que você os recolhe - quando precisa -, um a um, toda vez que escreve. Beijusssssssssss!!!

Tânia Carvalho said...

Que coisa linda Rita!
As coisas que você escreve me tocam muito.
Beijo.
:)))

EAD said...

Esse poema retrata mto os casebres q tinha antigamente ou até hj nos interiores.Belo poema

Poemas e Cotidiano said...

Ah! quantas lembrancas...quantas saudades.. tambem tenho as minhas.
Beijos
MARY

Tânia Carvalho said...

Querida Rita!
Tenho mais um Meme para você! Aceita?
Um beijo!
Tânia.
:)))))

//omundoeumaaldeia.blogspot.com/2007/11/meme-eu-tenho-um-blog-de-elite.html

folha seca said...

essa sim é uma rua bonitinha! rs.
nunca morei numa rua que eu gostasse mesmo, só morei em rua feia, sério.
mas lembro de muita coisa de quando eu era criança e tenho saudade tbm.
(legal seu blog);D

depois, se quiser, visita o meu:
http://aurora-experimental.blogs.sapo.pt/

abraço.

Angel Ilanah said...

lembrei de minha infancia, gostei do poema e do blog,
bjinhus pra ti


visite o meu blog quando puder

http://sushidebanana.blogspot.com/

Carol Mendes said...

Lembrei da minha infância, e ainda moro na mesma rua. Olhando-a, hoje, vejo que também já não tem os mesmos atrativos, passou a ser mais uma rua - faltam os risos e as brincadeiras, já não tem tanta alegria. Virou mais uma rua onde muitos do que por ela passa economizam até mesmo em responder Bom Dia. Uma grande semana. Beijus.